Blog Crédito Real

Inteligência emocional na gestão de condomínios

Se no dia a dia do condomínio, alegria, tristeza, medo e fúria, por exemplo, afetam os condôminos individualmente, quem precisa cuidar dos interesses de todos também tem seus sentimentos aflorados de acordo com cada nova situação, que pode ser muito boa ou bastante ruim. Espontaneamente, as emoções aparecem. E ter inteligência emocional para controlar cada uma delas é crucial na hora de cuidar do bem comum.

O síndico, a principal figura responsável por realizar a gestão condominial, precisa, além de várias outras habilidades que o cargo demanda, ter a capacidade de reconhecer e gerenciar as suas próprias emoções, bem como a capacidade de reconhecer a emoção do outro na interação social do dia a dia. Isso é inteligência emocional!

Uma pessoa emocionalmente inteligente é capaz de, entre um estímulo e uma resposta, fazer as melhores escolhas no gerenciamento da sua emoção. Isso significa que, antes de reagir, quem tem melhor domínio dos sentimentos consegue respirar fundo, contar até 10 ou 100 e amenizar sensações. Dessa forma, racional e emocional entram em equilíbrio e o convívio fica muito mais sadio.

Essas habilidade de saber equilibrar a razão e a emoção está associada a 5 princípios básicos, que são os pilares da inteligência emocional descritos abaixo. Confira:

5 pilares da inteligência emocional

1- Autoconhecimento: é a capacidade de ter autoconsciência a respeito dos sentimentos e saber reconhecê-los. Identificar emoções como tristeza, alegria ou raiva, por exemplo, é a base da inteligência emocional.

2- Autocontrole: é a capacidade de controlar os sentimentos identificados, sem permitir que eles tomem conta da situação.

3- Automotivação: é a vontade de gerenciar as próprias emoções e de estar disponível para isso.

4- Empatia: é a capacidade de criar conexão com o outro, percebendo os sentimentos que estão sendo expostos e sabendo reagir a eles.

5- Relacionamento interpessoal: quando as próprias emoções são reconhecidas e os sentimentos do outro também são identificados, as relações são melhoradas e o ambiente fica muito mais saudável.

Esses pilares orientam ações e reações. Por isso, para administrar o endereço que abriga tantas pessoas com opiniões e sentimentos diferentes, o síndico deve, antes, administrar as próprias emoções, desenvolvendo e fortalecendo a compreensão do que sente.

Condomínio em Foco – Março/2022

Na edição de março de 2022 do Condomínio em Foco, Carlos Matheus Gutierrez, nosso Gerente Jurídico, e Ariane Padilha, psicóloga e professora do curso de gestão condominial, contaram tudo sobre a importância da inteligência emocional para a vida em condomínio. Quer conferir?! Então acesse o nosso canal do YouTube e assista ao vídeo Inteligência emocional na gestão de condomínios na íntegra.


É fundamental saber que existem fatores externos que fogem do controle de todos, como um problema com o portão, com o pet do vizinho ou com a instalação hidráulica, por exemplo. Embora existam normas, você, síndico, não tem como controlar o comportamento dos condôminos. Portanto sua única responsabilidade é a sua própria conduta, certo? Ficar ciente disso é a chave para evitar a perda de controle, para gerenciar melhor as suas emoções em momentos adversos e para promover um ambiente muito mais harmonioso.

Tem dúvidas sobre o tema? Deixe seu comentário!

Gostou do Post? Deixe seu comentário aqui!