Blog Crédito Real

Regras de circulação de animais em condomínio

Os animais, conhecidos como os melhores amigos dos homens, tornam-se, de fato, parte fundamental da casa e da vida de muitas famílias. No entanto, caso o endereço fique em um condomínio, reclamações sobre barulho, mau cheiro e até mesmo de insegurança podem ser frequentes, mesmo que a Constituição Brasileira assegure o direito dos moradores viverem com seus animais em condomínio.

Estima-se que, em 2021, o número de animais em lares brasileiros aumentou cerca de 30%. Gatos e cachorros são os favoritos dos apaixonados por pets, mas outros animais menos convencionais também estão ganhando um cantinho na casa e no coração de muita gente. No Conecte-se, o aplicativo da Crédito Real, tem o Módulo Pet, sabia? Na área, dá para cadastrar os animais da família como moradores do condomínio!


Além do bom relacionamento entre vizinhos, promover uma convivência positiva entre moradores e animais em condomínio é uma preocupação constante de síndicos e tutores. Para isso, regras de convivência e circulação têm sido frequentemente implementadas. Exigir, por exemplo, que os pets passeiem apenas usando guia, acompanhados de seus tutores, e tenham suas necessidades sempre recolhidas são algumas das mais comuns. Continue lendo e entenda alguns pontos superimportantes para manter a ordem em condomínios com animais de estimação.


3 regras comuns de circulação de animais em condomínio

1- Segurança

A presença do animal, independentemente do local do condomínio, não pode comprometer a segurança da vizinhança. Então, a fim de evitar possíveis problemas, o ideal é sempre passear com o bichinho usando guia, além de tomar cuidado com a aproximação de adultos e crianças.

2- Higiene

A falta de higiene pode ser uma das maiores reclamações dos moradores. Por isso, durante o passeio, é imprescindível exigir que os tutores sempre levem uma sacolinha plástica para recolher possíveis dejetos. Além disso, manter a carteira de vacinação dos bichinhos sempre em dia é um cuidado básico e extremamente importante. Assim, é possível evitar a contaminação e a transmissão de inúmeras doenças.

3- Sossego

Latidos constantes e outras agitações podem ocasionar indisposição entre moradores, por isso é fundamental que cada tutor encontre uma maneira adequada de fazer o pet gastar energia ou reduzir a carência.


Descumprimento de regras pode gerar multa

Além dessas três regras citadas acima, outras podem ser estabelecidas de acordo com as necessidades que forem surgindo. Por isso, todos devem sempre ficar de olho no que diz a convenção e o regimento interno. Afinal, o descumprimento das orientações pode gerar notificação ou multa.

A posse responsável é saudável para o animal, para o dono do animal, para os vizinhos e também para a harmonia do condomínio. Então é papel do síndico mediar conflitos entre moradores e orientar que tutores busquem sempre a melhor solução para todos.

Condomínio em Foco – Abril/2022

Na edição de abril de 2022 do Condomínio em Foco, Carlos Matheus Gutierrez, nosso Gerente Jurídico, falou mais sobre as regras que podem ser estabelecidas para evitar problemas entre vizinhos e tutores de animais em condomínio.
Cuidar do seu pet e do seu condomínio importa para você?
Então acesse o nosso canal do YouTube e assista ao vídeo Animais em condomínios: regras de convivência e circulação na íntegra.


Tem dúvidas sobre o assunto? Envie um e-mail para juridico@creditoreal.com.br ou comente aqui no blog, que a gente esclarece tudo para você!

Gostou do Post? Deixe seu comentário aqui!